Alta da Selic: o setor imobiliário deve se preocupar?

No dia 27 de outubro, o Comitê de Política Monetária (Copom) – grupo de diretores do Banco Central (BC) que decide sobre os juros do Brasil – elevou a Selic (Sistema Especial de Liquidação e Custódia) em um ponto percentual – de 6,25% para 7,75% ao ano (a.a.).

Foi a quinta alta consecutiva da taxa básica de juros do país esse ano, e a terceira de um ponto percentual. Ou seja, estamos vindo de um ciclo de altas, com o objetivo de conter o aumento da inflação.

O tema requer total atenção do setor da construção civil: o ajuste da Selic tem impacto direto no mercado imobiliário e na decisão de compra do consumidor, afinal, quanto mais a taxa sobe, mais caro fica o financiamento imobiliário. Logo, o setor pode ser aquecido ou desestimulado por ela.

Diante desse cenário, quais os reflexos da elevação da Selic sobre os negócios? E como as empresas do mercado da construção civil devem se posicionar?

Para te ajudar nessa compreensão, a Katsuki desenvolveu este artigo destrinchando a repercussão da taxa básica de juros no setor.

Recheado de infográficos, você encontrará uma análise aprofundada sobre a importância da Selic para o mercado, seu comportamento nos últimos meses, as expectativas para o futuro, e uma avaliação sobre os seus impactos.

Confira!

Como a Selic afeta o mercado imobiliário?

Criada em 1979 como uma ferramenta de controle da inflação, a taxa Selic é o indicador mais importante para a economia brasileira, e representa a variação dos juros básicos do país.

Não à toa, ela repercute em toda a cadeia produtiva, e serve como ponto de partida para qualquer avaliação de cenário econômico.

A taxa básica é a principal referência na definição de indicadores fundamentais, como os juros do financiamento imobiliário, a poupança (uma das maiores fontes de recursos para o crédito imobiliário), e outros.

Por isso, sua variação anual deve ser acompanhada com atenção e expectativa pelo mercado da construção civil e imobiliário, afinal:

Quando a Selic cai:

O poder de compra dos consumidores aumenta, o consumo é estimulado, e a economia aquece. Os juros ficam menores, por isso é mais barato fazer empréstimo. Contudo, a inflação pode retornar.

Quando a Selic sobe:

os juros de cartões de crédito, empréstimos e financiamentos também sobem. A inflação é reduzida, mas a economia pode desacelerar, já que o consumo é desestimulado.

O momento atual é de grande aumento de preços, e recordes de inflação no setor da construção civil. Por isso, o Copom vem subindo a taxa básica de juros nos últimos meses, e pretende elevá-la ainda mais até o final do ano, desacelerando a economia – sobretudo as compras a prazo.

Como vimos, com a Selic alta, as prestações dos empréstimos imobiliários ficam mais caras, já que as instituições financeiras (responsáveis por ofertar esses financiamentos) tendem a repassar parte dessa elevação às taxas cobradas nos contratos.

Em contrapartida, com juros mais altos, a taxa de câmbio cai, o que é benéfico para os custos da construção e para a inflação em geral.

De acordo com a Fundação Getulio Vargas (FGV), a cotação do dólar no Brasil vem recuando desde março, e as expectativas para o final de 2021 apontam para uma taxa próxima a R$ 5,05 por dólar.

Ainda assim, será que os juros mais altos podem afastar quem pretendia comprar a casa própria este ano? Para compreender essa questão, é preciso analisar o comportamento da taxa básica de juros nos últimos períodos.

Ciclo de quedas

A Selic caiu de 14,25%, em agosto de 2016, para 2%, em agosto de 2020.

Menor patamar histórico

De agosto de 2020 a março de 2021, a Selic foi mantida em 2%, seu menor patamar histórico – um “ponto fora da curva”.

Elevação gradual

Em março de 2021, a Selic subiu para 2,75%.

Entre março e junho, o Copom realizou o aumento gradual da taxa, em 0,75% a cada reunião.

Situação atual

Em agosto de 2021, o BC passou a aumentar a taxa em 1% a cada encontro.

E em setembro, ela chegou a 6,25% a.a. – nível mais alto desde julho de 2019 (6,5%).

Alta expressiva

Considerando a trajetória inflacionária, a taxa básica de juros poderá chegar a 7% em dezembro de 2021, conforme documento elaborado pela FGV.

Embora uma alta expressiva (levando em conta que a Selic era de apenas 2% no início do ano), trata-se apenas do retorno da taxa a patamares positivos em termos reais, isto é, à normalidade.

Como você pode ver em nosso infográfico, o aumento da Selic é um processo natural, para aproximar a taxa de uma média realista.

Para ver o histórico completo das taxas de juros fixadas pelo Copom e a evolução da taxa Selic, clique aqui.

Além disso, vale ressaltar que as taxas de juros dos financiamentos imobiliários já haviam subido antes da última elevação do Copom (22 de setembro):

Banco Santander, 4 de setembro: subiu de 7,99% a.a. para 8,99% a.a. os juros do crédito imobiliário, mais variação da Taxa Referencial (TR).

Banco Bradesco, 13 de setembro: passou a ter taxas que variam entre 8,50% e 8,90% a.a., mais TR – conforme perfil do cliente.

Banco Itaú Unibanco, 15 de setembro: subiu de 7,30% a.a. para 8,30% a.a. os juros dos financiamentos tradicionais, mais variação da TR.

Porém, a Caixa Econômica Federal seguiu na contramão:

 Banco Itaú Unibanco, 15 de setembro: subiu de 7,30% a.a. para 8,30% a.a. os juros dos financiamentos tradicionais, mais variação da TR.

Desde o dia 18, o banco possibilita contratar financiamento pela modalidade com juros a partir de 2,95% a.a., somados à remuneração da caderneta.

Segundo o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, o banco registrou R$ 300 bilhões contratados na atual gestão, possibilitando a redução.

A Caixa se mantém como a maior financiadora da casa própria no Brasil, com 67% de participação do mercado.

No final do primeiro semestre de 2021, o banco anunciou um crescimento de 41,4% na concessão de crédito imobiliário, entre janeiro e maio (em comparação ao mesmo período de 2020).

No período, cerca de R$ 52,4 bilhões foram concedidos para 240,6 mil contratos – boa parte graças à linha aberta pela Caixa em fevereiro (com financiamento corrigido pelo rendimento da poupança, taxa fixa entre 3,35% e 3,39% a.a., e TR zerada).

Já agosto de 2021 foi o mês de maior contratação da história da Caixa, com R$ 14 bilhões em novos contratos.

Viu só? O crédito imobiliário da Caixa cresceu mesmo com o ciclo de altas da taxa Selic.

Ou seja, embora a medida do BC para a taxa seja oposta ao que vinha ocorrendo nos últimos seis anos (quando a Selic esteve em queda na maior parte do tempo), ainda há atratividade no setor imobiliário.

Mas, até quando? Explicaremos nas próximas linhas!

Alta da Selic: o setor imobiliário deve se preocupar?

Primeiramente, é importante saber que cada variação na taxa Selic delonga 12 a 18 meses até ser sentida em todo o mercado de crédito, de acordo com a Agência Brasil.

Porém, em alguns componentes importantes para o setor construtivo, os efeitos são imediatos, como no câmbio, nos investimentos em renda fixa, e outros.

Levando isso em consideração, o que se observa é que ainda há atratividade no setor, mesmo com o novo ciclo de alta da Selic, porque o seu patamar é considerado baixo quando comparado a outros momentos vividos pelo país.

E os dados reforçam a tendência:

1. Unidades financiadas para aquisição

2. Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE)

Dados de: Associação das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip); Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (Sinduscon-SP).

3. Alta em vendas

4. Alta em lançamentos

1. Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE)

Até julho de 2021, financiamentos imobiliários com recursos do SBPE somaram R$ 94,3 bilhões (alta de 123% na comparação anual).

2. Unidades financiadas para aquisição

Até julho, o ano de 2021 somou 333,7 mil unidades financiadas para aquisição (alta de 102% em relação ao mesmo período de 2020).

3. Alta em vendas

Em junho de 2021, 6.837 unidades residenciais novas foram vendidas em São Paulo – alta de 16,2% em comparação a maio (5.883 unidades), e 129,1% acima das comercializadas um ano atrás (46.480 unidades).

Entre junho de 2020 e junho de 2021, 64.455 unidades foram comercializadas – alta de 38,7% em relação ao período anterior (46.480 unidades negociadas).

4. Alta em lançamentos

Ainda em São Paulo, 6.940 unidades residenciais foram lançadas em junho de 2021 – alta de 244,4% em comparação a junho de 2020 (2.015 unidades).

Entre junho de 2020 e junho de 2021, 77.507 unidades foram lançadas – alta de 41,6% sobre o período anterior (54.740 lançamentos).

Dados de: Associação das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip); Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (Sinduscon-SP).

Pois é! O aumento da Selic ainda não esfriou as vendas e os lançamentos de imóveis, e o setor segue progredindo nos negócios.

O ajuste, é claro, diminui o poder de compra dos consumidores. Mas, em se tratando do mercado imobiliário, enquanto as taxas de juros permanecerem no patamar de 6% a 8% ainda estarão favoráveis para o cliente.

Além disso, o país enfrenta um déficit habitacional que precisa ser atendido. Logo, pode-se dizer que a nova alta da Selic não prejudicará o setor a curto prazo.

Porém, fica o alerta

Apesar dos dados positivos, o Brasil ainda enfrenta os efeitos da pandemia de Covid-19, e possui um histórico de hiperinflação, volatilidade de preços, e incerteza fiscal – entraves no planejamento das famílias brasileiras.

Além disso, os reajustes dos insumos da construção ainda não foram completamente repassados para o preço final dos empreendimentos. Se os gargalos não forem resolvidos, isso será inevitável, e encarecerá a matriz de custos dos imóveis.

 

Portanto, recomendamos pelo menos quatro atitudes que você deve tomar agora à frente da sua construtora ou incorporadora para evitar riscos desnecessários:

1. Fique de olho na movimentação econômica em geral. Caso a Selic “saia de controle”, o mercado pode experimentar retração, devido à freada na atividade econômica.

2. Programe seus próximos lançamentos com cautela. Verifique se o público-alvo do seu empreendimento se mantém economicamente ativo, com capacidade de pagamento, e disponível para o fechamento de negócios.

3. Foque, também, na gestão de custos. Sabendo que os custos de construção seguem elevados, e a pressão inflacionária permanece forte, conduza sua gestão com responsabilidade.

4. Conte com a ajuda de especialistas em Marketing Digital e Vendas para avaliar sua estratégia de lançamento, fazer projeções mais consolidadas, e potencializar seus resultados.

Conte com a Katsuki!

Com estratégias de alta performance do Marketing Digital e de Vendas direcionadas ao mercado da construção civil, podemos ajudar sua empresa a acelerar negócios e atravessar esse cenário econômico com mais segurança e fechamento para seus empreendimentos.

Marque uma conversa com a gente, clicando aqui!

Posts recentes

Diversas empresas estão mudando a própria história com Marketing Digital e nós nos sentimos honrados por contribuir nesse processo.​

Será que não está na hora de mudar a da sua empresa?​

Muito mais do que querer que você se torne nosso cliente, queremos estabelecer uma parceria de crescimento mútuo!

VAMOS CONVERSAR?

    Eu concordo em receber comunicações.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.